Sobre a importância de utilizar a Correia de Guitarra na hora do ensaio e também no treinamento do dia a dia. 

 

Geralmente, quando apresentamos perante o público tocamos nosso instrumento em pé, certo?

Ou seja, utilizamos a correia da guitarra.

 

Entretanto, na hora de praticar seu instrumento em casa ou ensaiar com a banda a maioria das pessoas toca sentado.

 

Ora, não faz sentido algum. Quando o músico está ensaiando para um show, ele está imitando exatamente o que acontecerá no dia da apresentação. Ensaiar é isso. Ensaiar bem é ensaiar nos mesmos moldes que será o show. Ou seja, se você tocará em pé no dia do show, ensaie em pé! Fica a primeira lição.

 

O tema que quero adentrar em seguida é algo mais técnico do que isso. Trata-se da diferença no som, ritmo, improvisação e presença de palco se tocarmos em pé.

 

Primeiramente, percebi que meus músicos favoritos, sejam eles cantores, guitarristas, pianistas ou bateristas tocam seu instrumento com o corpo todo e não só com as mãos. Ou seja, tocamos a guitarra com o movimento do corpo: com expressões faciais, braços, quadris e pés. O corpo está todo interligado. Por exemplo: se seus pés estão tensos, esse fator poderá influir no seu timbre, embora a guitarra esteja sendo executada com as mãos. 

 

Entendi mais sobre isso quando comecei a estudar Alexander Technique, que é uma técnica de fisiologia cujo objetivo é reaprender os movimentos para possibilitar uma maior eficácia na execução. Vários atletas, músicos, atores ou pessoas que praticam atividades de alta performance conhecem e estudaram essa técnica. É bem interessante. Poucas pessoas sabem sobre a existência da técnica Alexander Technique aqui no Brasil, embora nos EUA seja mais comum. 

 

Com o Alexander Technique pude perceber que nosso corpo influencia no som/timbre que sai do nosso instrumento (guitarra).

 

Quantas vezes, na frente de uma platéia ou de amigos, contraímos nosso corpo involuntariamente, seja por nervosismo ou ansiedade, dificultando a execução da música e de frases que se estivéssemos tocando sozinhos em nosso quarto sairiam bem melhores?

 

Ou seja, o nosso corpo e estado de espírito influencia diretamente na qualidade do som/timbre, ritmo e performance. 

 

Agora, imagine se você estivesse usando a correia pela primeira vez, ou seja, tocando em pé, e sentisse as mesmas sensações descritas acima. Com certeza não seria sua melhor performance.

 

Com isso em mente, fica a segunda lição: Treine/pratique seu instrumento, pelo menos ocasionalmente, em pé e utilizando a correia, para assim começar a entender como o seu tocar funciona diferente em pé. Tente entender que em pé não tocamos a guitarra só com as mãos, mas sim com o corpo todo. Não se tencione. E o mais importante: se divirta, sinta a música que está tocando, comunique a música com seu corpo, pois só assim as pessoas vão querer te ver tocando. 

 

Por fim, as últimas lições se referem a:

3- Ao aumento da presença do seu som;

4- Uma melhora no ritmo pelo fato de tocar em pé.

 

Quanto ao item "3", o fato de tocarmos em pé em vez de sentados, naturalmente, deixa nosso som mais presente. Quando estamos sentados, estamos mais relaxados, principalmente se estivermos com as costas encostadas na cadeira.

 

Já em pé, é natural que nos tornemos mais pro-ativos. Assim, tocar em pé te ajudará a ter um som mais envolvente, pois seu som seguirá a mesma presença do seu corpo. 

 

Já o item "4", que se refere a melhora do ritmo, é uma das coisas mais interessantes sobre este assunto. Estudando Alexander Technique, em Boston, com o professor Bob Lada, aprendi que a parte de criatividade rítmica de nosso corpo está muito ligada aos quadris. Se você parar para pensar, a maioria das danças, principalmente as ricas em ritmos, estimulam o movimento dos quadris, certo?

 

Em vista disso, ter os quadris mais relaxados na hora de tocar seu instrumento com certeza ajudará no ritmo. 

Tocando em pé, obviamente, estamos com os quadris soltos. Ou seja, abre a possibilidade para sentir mais ritmicamente a música que você está tocando. 

 

Se tocarmos sentados, por outro lado, não há espaço para qualquer movimento dos quadris. Ou seja, os quadris estão apoiados na cadeira, impossibilitando qualquer movimento e dificultando uma execução da música de modo mais ritmado.

 

Tocar em pé, com toda a certeza, te ajuda a entrar mais no groove da música.

 

Enfim, essas são somente algumas considerações que reputo importantes e espero que esta leitura tenha sido pelo menos informativa. 

Quais são suas constatações sobre tocar com a Correia da Guitarra?

 

Até a próxima e um grande abraço,

Italo Cunha​

www.italocunha.com

"Seis cordas de talento"

            - Correio Braziliense

© 2014  WWW.ITALOCUNHA.COM